PREFEITO DE CERQUEIRA CÉSAR CORRE O RISCO DE SER CASSADO

08/07/2017

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) criada para apurar um contrato feito entre a Prefeitura de Cerqueira César e uma empresa para conserto de ônibus escolares concluiu as investigações e apontou irregularidades por parte do Executivo.

Segundo o relator, apesar dos serviços não terem sido concluídos, o pagamento de quase R$ 100 mil foi feito para a empresa com recursos do governo federal. Na sessão realizada no último dia 5, o relator leu o resultado de três meses de investigações.

Conforme o relatório de 67 páginas, a denúncia foi feita por um morador e aponta irregularidades no contrato entre a prefeitura e a empresa J.C. Trinca Peça, responsável pelo conserto de seis ônibus escolares usados no transporte de alunos da cidade, no início do ano, gestão do atual prefeito Marcos Zaloti (PRB). Os serviços não teriam sido feitos e, mesmo assim, a prefeitura teria pago quase R$ 100 mil.

REVISÃO – O presidente da Câmera, Luis Henrique Alves Cruz, pediu a revisão jurídica do relatório. Com isso, a votação para abertura ou não de uma comissão processante, que pode cassar o mandato do prefeito, ficou para o dia 21 de setembro. Para a comissão ser aprovada, são necessários os votos de dois terços dos vereadores presentes.

No entanto, o líder do governo na Câmara disse que vai pedir mais informações a Marcos Zaloti sobre as denúncias. “A partir de agora ele vai tomar conhecimento e obtermos uma resposta do próprio Executivo. Nesse meio tempo será passado pelo jurídico da Câmara para que possamos tomar as devidas providências”, explica o vereador Sidney Marcos Cardoso.

O dono da empresa, João Carlos Trinca, também pode ser investigado por enriquecimento ilícito. “Outro fato levantado foi a questão do pagamento. Primeiro foi feito pagamento e depois os serviços. Isso foi constatado pelo relatório com um motorista, com as datas certas que o motorista trabalhou”, explica o presidente da CEI, Emerson César Calixto.

DEFESA – De acordo com o prefeito, as acusações não são verdadeiras e a comissão não conseguiu provas técnicas que sustentem as suspeitas de irregularidades e que uma perícia técnica não foi realizada.

Já a empresa J.C Trinca disse que não existem irregularidades contratuais e que todos os serviços realizados atenderam as necessidades dos respectivos veículos.

Motoristas foram ouvidos e relataram que os veículos precisam apenas de reparos pontuais como: troca da borracha do para-brisa, amortecedores, óleo e filtro. Ainda segundo um relatório do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), os preços pagos foram acima dos de mercado.

O relatório concluiu que uma comissão processante deve ser aberta para analisar as denúncias do pagamento autorizado pelo prefeito e também indicam irregularidades praticadas por outros três funcionários da prefeitura.

O prefeito ainda afirma que a denúncia aconteceu porque a prefeitura cortou as horas extras que os motoristas estariam recebendo de forma irregular. Além disso, em nota, a prefeitura afirmou que a contratação da empresa para o conserto dos ônibus ocorreu por meio de pregão eletrônico, sem a participação do prefeito.

Deixe seu comentário



Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Avaré Urgente. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Avaré Urgente poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *