CAPACIDADE DE CAMATORE ESTAVA ACIMA DO PERMITIDO, DIZ ADVOGADO DE EMPRESA

22/03/2017

O advogado Ézio Fusco, que representa a empresa responsável pela montagem do camarote que caiu no último domingo, dia 19,durante um show sertanejo, em Arandu, prestou depoimento na Polícia Civil e afirmou que o acidente foi causado pelo excesso de pessoas no local.

Segundo ele, a empresa informou para a prefeitura que a capacidade exata era de 480 pessoas com limite de até 600 pessoas. Porém, no auto de vistoria liberado pelo Corpo de Bombeiros a capacidade apontada era de pouco mais de 1200 pessoas nos dois andares do camarote.

“A superlotação vai ser atestada pelo número de frequentadores. Embora os laudos de vistoria do Corpo de Bombeiros, os laudos técnicos apresentados comprovem o número exato, não havia o controle de pessoas que entravam no camarote. Em decorrência com o número excessivo de pessoas no camarote, fez com que a estrutura cedesse. Não houve uma falha no local. Apenas cedeu devido ao excesso de pessoas. A capacidade exata era de 480 pessoas com o limite até 600. As pessoas entravam livremente sem controle de acesso nos camarotes. Em decorrência ao número excessivo de pessoas, ocorreu o evento”, afirma.

Ainda segundo o advogado, o documento que mostra a capacidade foi encaminhado antes da festa para a prefeitura informando sobre a capacidade que a estrutura suportava, 480 pessoas. A reportagem da TV TEM entrou em contato com o prefeito de Arandu Luiz Carlos da Costa (PR), mas ele Afirmou que só vai voltar a se pronunciar depois do resultado da perícia.

O tenente do Corpo de Bombeiros Murilo Daniel da Silva explica que o documento foi feito com base nas informações passadas pelo engenheiro responsável pela montagem “No projeto analisado e calculado foram liberadas 638 pessoas por pavimento. Eram dois pavimentos. No caso da segurança estrutural, é emitido um atestado pelo responsável técnico, feito por um engenheiro responsável, atestando que o lugar está de acordo”, conta.

A Prefeitura afirma que na hora da queda, 900 pessoas estavam no camarote, e que alertou a empresa sobre um possível problema na estrutura que estava balançando nos primeiros dias da festa. Além disso, afirmou que no local a entrada e saída de pessoas era contabilizada por meio de catracas. “Fomos até o local na quarta-feira, pois vimos que a estrutura estava balançando, porém a empresa responsável afirmou que isso era normal. A empresa ressaltou que seria anormal se não tivesse nenhum balanço”, explica o prefeito.

O advogado ressalta que o balanço é normal. “Tal como ocorre em campos de futebol, estruturas metálicas em geral, esse balanço é normal. É esse balanço na estrutura que permite que a estrutura não se quebre”, diz.

INVESTIGAÇÃO – Uma nova perícia foi realizada para analisar a parte estrutural do camarote. O laudo que sairá em 30 dias poderá determinar a causa do acidente. “Primeiro passo foi tomado pela Polícia Civil. Instauramos um inquérito para que possamos apurar a natureza da queda do camarote. Durante o inquérito serão intimadas as pessoas que estavam presentes, como as vítimas, responsável pela parte estrutural e organizadores para chegarmos a conclusão do que realmente aconteceu”, diz o delegado Tárcio Severo.

Segundo o delegado, a perícia complementar foi solicitada para apontar as causas do desabamento. “Por se tratar da queda de uma estrutura metálica, solicitamos uma perícia complementar em que engenheiros irão avaliar para que possamos verificar a natureza ou causa do desabamento. Se for constatado alguma falha na estrutura, o responsável pela instalação poderá responder penalmente pelo crime de lesão corporal culposa, e posteriormente poderá ser acionado na esfera civil para eventual reparação de danos materiais ou morais que as vítimas tenham sofrido”, afirma o delegado.

Ainda de acordo com o delegado, vai ser apurado em relação à superlotação. “Tem muita informação. Intimamos a empresa responsável pela catraca, que faz o controle de acesso de entrada e saída das pessoas. Por enquanto é muito cedo para alegar se houve superlotação. Vamos esperar o prosseguimento das investigações para que possamos apurar de forma profissional”, ressalta.

Com informações do G1



Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Avaré Urgente. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Avaré Urgente poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.