SECRETÁRIO DA CULTURA VOLTA SER COBRADO NA CÂMARA MUNICIPAL

05/06/2019

O secretário de Cultura de Avaré, Diego Beraldo, que não atendeu a convocação da Câmara Municipal e poderá responder por crime de responsabilidade, voltou a ser assunto durante a sessão ordinária de segunda-feira, dia 3 de junho.

Os vereadores Flávio Zandoná, Toninho da Lorsa e Marialva Biazon voltaram a cobrar a presença do secretário no legislativo. Zandoná chegou a questionar o excesso de empenhos para serviço de sonorização desde 2017.

Um requerimento questiona Beraldo se a Prefeitura pagou os débitos referente ao Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (ECAD) referente a 50ª Emapa, que foi realizada em dezembro de 2018.

Beraldo tinha que participar da sessão do dia 27 de maio, porém não compareceu e não justificou sua ausência.

A convocação partiu da vereadora Marialva Biazon que apresentou um requerimento que foi aprovado pela Câmara na sessão do dia 20 de maio. O motivo da convocação seria para que Beraldo esclarecesse algumas inconsistências encontradas na prestação de contas da 50ª Emapa.

Segundo o legislativo, a convocação encontra respaldo no artigo 23 da Lei Orgânica Municipal, que dispões que a ausência de justificação pode importar crime de responsabilidade. “Apesar do respaldo legal da convocação o secretário não compareceu e as medidas cabíveis serão tomadas”.

Durante a palavra livre, a vereadora Marialva Biazon confirmou que o Ministério Público deverá ser acionado. “Ele quanto servidor público, como secretário da pasta da Cultura, ele precisa explicar algumas coisas para essa Casa. Se ele não explicar de forma direta, ele o fará por meio do Ministério Público”.

A parlamentar disse que o secretário terá que explicar sobre a prestação de contas da Emapa 2018. “Ele vai ter que explicar por que nos empenhos da Emapa 2018, alguns pedidos estão sem assinatura do ordenador de despesa. Eu gostaria de perguntar ao senhor Diego (Beraldo) porque foram efetuados depósitos para a empresa Samôr Promoções Artísticas e outra para empresa Regazzo Construções, ou ainda em nome de Juliana Vieira, pessoa física”.

Ela destacou ainda ter divergências na prestação de contas da festa. “Também gostaria de questionar ele porque existe divergência nos valores de pagamento do Ecad, como boletos sem autenticação. Também gostaria de saber por que as contas da Emapa de 2018 não passaram pelo Departamento de Análise de Contas da Prefeitura, o DAC”. “O senhor não veio hoje e se não vier a essa Casa, o senhor terá que prestar esclarecimentos ao Ministério Público”, finalizou.

Deixe seu comentário



Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Avaré Urgente. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Avaré Urgente poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *