MÉDICOS REBATEM AFIRMAÇÕES DO SECRETÁRIO DA SAÚDE

14/05/2018
Os médicos Leopoldo Ferraro Almeida e Kiyomi Myashiro Almeida elaboraram um relatório detalhando os serviços prestados na rede pública de Avaré. No documento, os profissionais relatam terem recebido comunicados internos do secretário da Saúde, Roslindo Machado, determinando o cumprimento de 40 horas semanais e da realização de 160 consultas semanais.

Ainda segundo os médicos, o secretário comunicou que instalaria nas unidades o ponto eletrônico e que os profissionais teriam que assinar o livro de ponto, anotando “com fidelidade a entrada e saída”. Roslindo teria destacado ainda que encaminharia ao Ministério Público a comunicação interna.

Eles destacaram que foram aprovados em concursos públicos realizados em 2010 para o cargo de médico do PSF, atual Estratégia de Saúde de Família (ESF) e que tem conhecimento da carga horária de 40 horas semanais. “… nada temos contra as exigências nesse sentido feitas pelo Sr. Secretário nos comunicados internos. Mesmo porque, essas 40 horas semanais sempre foram cumpridas e, muitas vezes, ultrapassadas quando consideramos as

horas adicionais gastas no estudo dos prontuários de nossos pacientes após o horário regulamentar”.

Porém, os médicos destacam no documento que “em nenhuma parte dos editais consta a obrigatoriedade da realização de 160 consultas semanais como atribuição dos médicos do PSF, contrariando a afirmação do Sr. secretário de Saúde (Roslindo Machado) nos comunicados internos em pauta”.

No relatório, ambos os profissionais relatam que 160 consultas semanais corresponderiam a 32 consultas diárias, 4 por hora, ou uma a cada 15 minutos. Eles destacam que essa quantidade de consultas seria insuficiente para “uma abordagem resolutiva das condições crônicas de saúde, como o diabetes e a hipertensão arterial sistêmica – que são predominantes na Atenção Primária à Saúde”.

Os médicos destacam que a quantidade de consulta poderia ser suficiente para atendimentos no Pronto Socorro, “área de domínio do secretário, mas não propicia uma consulta médica resolutiva e de qualidade para as condições crônicas de saúde, o que o secretário de saúde deve saber, considerando que a Secretaria Municipal de Saúde de Avaré foi uma das patrocinadoras do processo de Planificação da Atenção Básica para o Vale do Jurumirim”.

Na conclusão, os médicos destacam que a atividade dos médicos da APS “vai além da simples quantidade de consultas médicas, que trabalhamos com uma média de 11 a 12 consultas agendadas por dia, mas todas as urgências e emergências que chegam a nossa Unidade de Saúde são atendidas, o que origina uma média de 15 a 22 consultas por dia”.

Eles pediram que Roslindo Machado envie os Comunicados Internos (CIs) ao Ministério Público conforme teria prometido.

O relatório foi encaminhado ao Ministério Público, ao prefeito Jô Silvestre e ao presidente da Câmara Municipal de Avaré, vereador Toninho da Lorsa. “… ficamos à disposição de todos os interessados, inclusive do Ministério Público, para maiores esclarecimentos quanto ao significado de Atenção Primária à Saúde, Redes de Atenção à Saúde e sua importância para a solução dos problemas contemporâneos da Saúde pública no Brasil”.

Fonte: A Voz do Vale



Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Avaré Urgente. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Avaré Urgente poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.