ASSASSINO DE DOMINIQUE É CONDENADO A 16 ANOS DE RECLUSÃO

30/06/2018

Após mais de 11 horas de julgamento, o Júri Popular condenou Diego do Nascimento, de 22 anos, a 16 anos de reclusão. O julgamento teve início às 10 horas no Fórum de Avaré e reuniu familiares, amigos e populares da jovem Dominique de Oliveira Machado, de 18 anos, que foi assassinada em 2013.

Ele foi condenado há 14 anos por homicídio qualificado e um ano por ocultação de cadáver e mais um ano por coação de testemunha. Ele ainda foi condenado a 20 dias/multa, totalizando 16 anos de reclusão. Ele poderá recorrer a condenação, porém continuará preso.

O promotor revelou a Do Vale TV, emissora canal 10 da TV Cabo Mix, que recorrerá da decisão. Para ele, a sentença ficou abaixo do esperado pela acusação devido a gravidade dos fatos.

Durante todo o dia, testemunhas de acusação e de defesa foram ouvidas pelo Juiz Fábio Paci Rocha, da Vara Criminal de Avaré. Até mesmo o delegado Rubens César Garcia Jorge, que hoje está a frente da Delegacia Seccional de Polícia foi ouvido. Na época ele comandou as investigações que chegaram no autor do assassinato.

Durante o depoimento de Diego do Nascimento, a mãe de Dominique chegou a se alterar e dizer que ele estava mentindo em seu depoimento. Ele chegou a se retirar do local, mas retornou após o recesso após ser autorizada pelo magistrado.

Dominique morreu com pancadas na cabeça depois de ir a uma festa de rodeio junto com o suspeito e o amigo dele em Arandu. De acordo com a polícia, Diego conseguiu adiar a prisão por dois anos porque teria manipulado um amigo a dar falso testemunho.

Na época da prisão, ele negou a autoria, mas o amigo que teria mentido durante as investigações confessou que o rapaz tinha matado a jovem e os dois ficaram presos.

ENTENDA – Dominique sumiu quando voltava da festa em comemoração ao aniversário de Arandu, no dia 16 de março de 2013.

Segundo a polícia, a jovem estava acompanhada de dois amigos e foi até a festa de carona no carro de um deles. Contudo, ela teria decidido ir embora sozinha e a pé depois que eles teriam se negado ir embora.

Os amigos da vítima ainda relataram aos policiais que conversaram com ela por telefone quando ela caminhava pela Avenida Diamantino Monteiro Gama, em Avaré. Após a ligação dos amigos, a vítima não foi mais vista.

Oito dias após, ela foi encontrada morta em um terreno baldio ao lado da avenida por um morador que percebeu o mau cheiro e a presença de urubus no terreno. Segundo a Polícia Militar, Dominique estava com o maxilar deslocado e com sinais de estupro.

Dois anos depois do crime, o suspeito foi preso pela polícia. Na época, o delegado Rubens César Garcia Jorge afirmou que o crime foi motivado por um relacionamento amoroso que ele tinha com a menina.

Rubens César Garcia Jorge descreveu também, na época para a reportagem do G1, que a vítima, o amigo e o suspeito do homicídio foram à festa juntos em um carro. Em certo momento, o rapaz saiu do recinto junto com a jovem e voltou sem ela.

Segundo o delegado responsável pelo caso, os dois rapazes que levaram a jovem à festa eram os principais suspeitos desde o início das investigações.

Mais informações a qualquer momento.



Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Avaré Urgente. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Avaré Urgente poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.